O rei que luta para manter a Bélgica unida

Recentemente tentou evitar a demissão de Yves Leterme, mas o primeiro-ministro  acabou por abandonar o Governo. Impedir divisões no território belga é a sua prioridade

“Juro respeitar a constituição e as leis do povo belga, manter a independência nacional e a integridade do território.” Cumprir o último ponto do juramento que fez em 1993 não tem sido tarefa fácil para Alberto Félix Humberto Teodoro Cristiano Eugénio Maria. Os sete nomes deixam adivinhar facilmente de quem se trata: Alberto II, sexto Rei dos Belgas, filho de Leopoldo III e da princesa Astrid da Suécia.

É precisamente pela integridade do seu país que este monarca de 75 anos tem lutado, desde que há 17 sucedeu no trono ao seu irmão Balduíno.

As diferenças culturais e linguísticas acentuadas que existem na Bélgica têm séculos de existência, mas a situação tem-se agravado nos últimos anos. A revisão constitucional de 1970 resultou na criação de três comunidades que se mantêm até hoje: a comunidade flamenga, a francesa e a alemã.

Foram disputas relacionadas com direitos linguísticos, entre flamengos e francófonos da região de Bruxelas que levaram o primeiro- -ministro, Yves Leterme, a demitir–se no passado dia 22. O monarca ainda apontou o ministro das finanças como mediador para tentar travar a crise política, mas a iniciativa fracassou. Restou-lhe aceitar a saída de Leterme.

Mas esta não é a primeira vez que Alberto II , que fez carreira na marinha, enfrenta a demissão deste ministro. O seu reinado tem sido, aliás, marcado por um vaivém de chefes de Estado.

O domínio da arte da diplomacia é algo que não pode faltar a este pai de três filhos, mas não se pode dizer que o respeito pelo protocolo tenha nascido com ele.

Durante a juventude teve uma paixão por motas que o levou, muitas vezes, a ser mandado parar por excesso de velocidade pelas autoridades, que acabavam por descobrir o príncipe de Liège por baixo do capacete.

A irreverência era também uma das características da jovem Paola Ruffo di Calabria, uma aristocrata italiana de linhagem real por quem o Rei se apaixonou durante a cerimónia de entronização do Papa João XXIII. Alguns meses depois, em Julho de 1959, estavam casados.

Mas, muito antes de subir ao altar, o monarca enfrentou uma infância conturbada. A mãe deste descendente da dinastia de Wettin morreu num acidente de viação na Suíça pouco depois de Alberto II ter nascido, deixando a nação de luto.

Também a Segunda Guerra Mundial afectou a vida do, na altura, pequeno príncipe. Em 1944, a família real é levada para a Alemanha a mando de Hitler, sendo libertada no ano seguinte pelas tropas norte-americanas.

Divergências existentes entre o povo belga e a monarquia acabaram por manter a família exilada na Suíça durante cinco anos.

No dia em que fez dez anos, a 6 de Junho de 1944, iniciou-se o desembarque das tropas aliadas na Normandia, que acabaria por conduzir ao fim da ocupação alemã na Bélgica. O 76.º aniversário de Alberto II está próximo, mas desta vez não é contra uma ameaça externa que a Bélgica precisa de lutar.

Bélgica – um país dividido pela língua (caixa)

Perdem-se no tempo as origens da disputa entre flamengos e francófonos. A constante ocupação do território belga por potências estrangeiras ao longo da história e a mistura de línguas que daí adveio estará na base deste conflito. Na segunda metade do século XVI, o poder esteve nas mãos dos espanhóis, a quem se seguiram os austríacos até 1713 e no fim do século XVIII é a vez de Napoleão ocupar o país. Antes da independência em 1830, também os holandeses governaram os belgas. O resultado foi uma Bélgica com três idiomas oficiais: o francês, o neerlandês (commumente designado de holandês) e o alemão. A primeira revisão da constituição belga, em 1970, originou a criação de três comunidades: a comunidade francesa, a comunidade flamenga (onde se fala holandês) e a comunidade germanófona. Em 1980, ganharam autonomia na área da saúde e dos serviços sociais. Nesse ano são ainda criadas duas regiões económicas, a Flandres e a Valónia. Uma terceira região, Bruxelas-Capital, onde se fala francês e holandês, foi criada na reforma de 1988-89.

[Perfil de Alberto II, publicado a 1 de Maio no Diário de Notícias]

Anúncios

Deixe um comentário

Filed under Portfólio

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s